A farsa eleitoral e o avanço da extrema direita: organizar Comitês Anti-fascismo

As disputas eleitorais de 2018 assumiram uma grande polarização com o ascenso da candidatura de extrema direita da chapa Bolsonaro-Mourão/PSL/PRTB. Seu discurso de ódio e suas propostas ultraliberais, de privatização de todas as estatais e da retirada de direitos com a Reforma da Previdência e recrudescimento da Reforma Trabalhista, conquistou mais de 49 milhões de votos no primeiro turno.

NVL_CE

A chapa composta por Haddad-Manuela/PT/PCdoB ficou em segundo lugar, com seu programa neodesenvolvimentista e de colaboração de classes, recebeu mais de 31 milhões de votos.

Por sua vez, o povo mostrou que não acredita na farsa eleitoral. O não-voto, ou seja, a soma de votos nulos, votos brancos e abstenções, chegou a mais de 40 milhões de brasileiros e brasileiras que manifestaram seu descontentamento com o regime burguês.

A Federação das Organizações Sindicalistas Revolucionárias do Brasil (FOB), contribuiu com o debate apontando a necessidade de boicotar as eleições burguesas, como um primeiro passo para romper com o sistema de poder e exploração capitalista. Lançamos a campanha “Não vote! Lute e Construa o Sindicalismo Revolucionário!”, com panfletagens, pinturas e participação em manifestações.

Cartaz2

1. Segundo turno eleitoral: fascismo se derrota nas ruas

Depois de 13 anos de governos petistas de colaboração de classes, isto é, depois de 13 anos de um governo que mentiu afirmando estar defendendo a classe trabalhadora, mas, na verdade, implementou uma agenda anti-povo. Esta agenda contou com privatizações, retirada de direitos, terrorismo de Estado no campo e na cidade, dando lucro para banqueiros, latifundiários, industriais e se utilizando de todos os esquemas de corrupção. Este cenário permitiu que se instalasse um sentimento de desesperança no povo.

Nesse contexto de desesperança, a ascensão eleitoral da extrema direita tomou conta das discussões políticas. A burguesia, que não quer mais o antigo acordo colaboracionista oferecido pelo petismo, faz sua aliança com a chapa Bolsonaro-Mourão/PSL/PRTB, que reúne na sua cúpula militares, juízes e pastores, para se aproveitar das desilusões do povo.

Por sua vez, o petismo e seus aliados reformistas são incapazes de responder ao avanço das ideias e projetos políticos abertamente fascistas. O petismo e o reformismo em geral tem a ilusão que as eleições burguesas podem impedir esse avanço, mas os fascistas não precisam das eleições para impor sua política.

O petismo e o reformismo estão convocando falsas plenárias antifascistas, isto é, afirmam que querem combater o avanço fascista, mas impõem como única solução o voto útil na chapa Haddad-Manuela/PT/PCdoB. Trata-se de um grande erro e uma descaraterização do movimento antifascista. Primeiro porque o caminho da luta está muito além das eleições burguesas, em segundo lugar, porque fascismo se derrota nas ruas, com autodefesa do povo e com ação direta.

Diferentemente do que afirmam petistas e reformistas, a tradição popular de luta antifascista não é do legalismo eleitoral, nem do pacifismo, mas sim da autodefesa e da ação direta. Foi assim quando em 1934 operários anarquistas e comunistas brasileiros enfrentaram Integralistas na Praça da Sé em São Paulo. A combatividade também moveu as Brigadas Antifascistas que lutaram na Europa nas décadas de 1930 e 1940.

2. Luta antifascista: autodefesa e ação direta

A ascensão da extrema direita nas eleições é o resultado da fascistização da sociedade. A burguesia se aproveita do contexto para avançar sobre os direitos do povo, aumentando a exploração e a opressão. Estamos vivendo um processo de acirramento da luta de classes.

O momento exige a organização imediata de Comitês Antifascismo, da autodefesa do povo e da ação direta. Essa é a tarefa de todos os sindicatos, do movimento estudantil e dos movimentos populares. Temos que disputar palma a palmo cada espaço das periferias e favelas, das escolas e universidades, das fábricas e demais locais de trabalho, dos campos e aldeias.

A consciência de classe se forja na luta concreta. Recuperar as tradições da luta direta do povo é condição necessária para o avanço das organizações e das formas de resistência proletárias. E a luta antifascista é parte da história da classe trabalhadora.

Resistir e avançar nas lutas até a Greve Geral Insurgente para derrotar definitivamente o fascismo e o sistema que o criou: o capitalismo. Hoje, a classe trabalhadora brasileira encontra-se diante do desafio colocado pela revolucionária alemã Rosa Luxemburgo: SOCIALISMO OU BARBARIE.

Contra o fascismo: autodefesa e ação direta!

Greve Geral contra o Estado e o Capital!

0 thoughts on “A farsa eleitoral e o avanço da extrema direita: organizar Comitês Anti-fascismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *