14 de junho: 3 anos do massacre de Caarapó

CLODIODI VIVE. LEONARDO LIVRE!
TERRA, JUSTIÇA E LIBERDADE!
Reunidos no tekoha Kunumi Poty Verá, os Guarani e Kaiowá da aldeia Tey’i Kue e das 9 retomadas da região construíram o dia de homenagem à memória do jovem agente de saúde Clodiodi de Souza, assassinado na ocasião do Massacre de Caarapó em 2016. O evento ocorreu no dia 08 de junho, antecipando a data, com ampla articulação e participação local junto à grupos de solidariedade. Escolas da aldeia foram paralisadas, de forma que a atividade também contou com participação de professores e estudantes. Agentes de saúde, trabalhadores (do corte e plantio de cana nas usinas), jovens, crianças, rezadores (ñanderu) e rezadoras (ñandesy), assim como familiares de Clodiodi relembraram dos acontecimentos do massacre, que foi também um dia de resistência contra a violência dos fazendeiros da região e do terrorismo de Estado.
100
Em frente ao túmulo de Clodiodi, os porta-vozes das retomadas presentes, junto dos sobreviventes do massacre, compartilharam falas costurando a luta do passado com os enfrentamentos de hoje, deixando claro que nem a criminalização, nem a repressão, e nem a morte irá impedir o avanço das retomadas e da luta indígena por terra e liberdade. Em matéria recentemente lançada pelo “De Olho nos Ruralistas” (disponível em: https://deolhonosruralistas.com.br/deolhonoms/2019/06/16/ataque-a-indigenas-em-caarapo-ha-tres-anos-foi-articulado-por-whatsapp/), fica explícita a articulação para o ataque organizada entre os fazendeiros, muitos dos quais são membros dos Sindicatos Rurais da região e da FAMASUL (cujo pai do ex-proprietário da fazenda retomada pelos Guarani e Kaiowá foi fundador), empresas como a COAMO (gigante da exportação de soja) e a Polícia Militar, Federal e a DOF (Departamento de Operações de Fronteira). Os 5 fazendeiros condenados pelo ataque permanecem soltos. A criminalização dos indígenas, porém, não cessou de ocorrer.
2
Houveram protestos no dia 8 contra a prisão de Leonardo de Souza, pai de Clodiodi, e comemoração pela recente absolvição de Carlito de Oliveira Guarani e Kaiowá. Carlito foi acusado injustamente de assassinar dois policiais e da tentativa de homicídio de um terceiro, durante ataque de policiais à paisana contra o tekoha Passo Piraju em 2006. Entretanto, 4 indígenas foram condenados: Aquino Fernandes e Ezequiel Valensuela, que está foragido, foram sentenciados a 26 e 34 anos de prisão. Lindomar Brites de Oliveira (filho de Carlito) a 19 anos e Paulino Lopes a 20 anos, mas ambos inocentados das acusações de tentativa de homicídio (informações disponibilizadas no site do CIMI). Os companheiros condenados irão cumprir sentença em regime de semiliberdade, com redução de pena por conta dos 12 anos decorridos desde o ataque paramilitar contra a comunidade. Além disso, outros(as) companheiros(as) das retomadas estão ameaçados de prisão. Finalmente, da ocasião, um documento público foi elaborado por pessoas das retomadas para ampla divulgação, como resultado da ação dos 3 anos do massacre no tekoha.
EKUH0784
Em Dourados/MS, no dia 13, a homenagem à memória da resistência Guarani e Kaiowa continuou com a atividade “CLODIODI VIVE!”, construída coletivamente entre a comunidade tekoha Kunumi Poty Verá, o Comitê de Solidariedade aos Povos Indígenas, a Frente Autônoma Estudantil (FAE), a RECC/FOB -MS, UE-AP e as/os estudantes indígenas e camponeses da Licenciatura em Educação do Campo (LEDUC) da UFGD. Estudantes e trabalhadoras/trabalhadores em marcha ecoaram gritos de revolta contra o genocídio e terrorismo de Estado. Vozes se levantaram em defesa da terra, justiça e liberdade. Foram distribuídos panfletos com o conteúdo produzido pelas retomadas de Caarapó acerca dos 3 anos do massacre.
OCTL8041-00
Os/as estudantes da LEDUC também relembraram as histórias dos guerreiros e guerreiras indígenas e camponeses que, assim como Clodiodi, tombaram na luta pela terra: Marçal de Souza, Nisio Gomes, Dorcelina Folador, Xurite Lopes, Rolindo e Genivaldo Vera, Simião Vilhalva entre outros tantos que deram sua vida em defesa do tekoha e do povo Sem Terra.  Ao final do ato foi exibido um documentário produzido pela ASCURI (organização indígena de produção audiovisual) intitulado “Retomada Teykue”, seguido de uma roda de conversa com falas de companheiras e companheiros presentes que compartilharam suas histórias de resistência e luta.
ELWS6554-000
Para concluir, os Guarani e Kaiowa junto a RECC/FOB demonstraram que não esquecem e não perdoam a violência do Estado e do agronegócio contra os povos originários. Fazemos um chamado a todas e todos as/os camaradas para que continuem rememorando todos os anos o dia 14 de junho, reforçando este dia como um ato nacional, denunciando os crimes do latifúndio e praticando a união das lutas dos povos do campo e da cidade. Enfim, apresentamos na íntegra o documento produzido pelos Guarani e kaiowa:
ENCONTRO DE RESISTÊNCIA DO POVO GUARANI E KAIOWÁ : 3 ANOS DO MASSACRE DE CAARAPÓ
8 de junho de 2019,
No dia 8 de junho, o povo Guarani e Kaiowá se reuniu no tekoha Kunumi Poty Verá em Caarapó (MS), para relembrar a memória de Clodiodi de Souza, jovem agente de saúde assassinado em 14 de junho de 2016 por fazendeiros fortemente armados, que atacaram o Tekoha tradicional, recuperado das mãos da fazenda Yvu. Na ocasião, foram feridas 13 pessoas de distintos Tekoha, incluindo crianças e outros jovens, alguns dos quais permaneceram com balas alojadas no corpo. Cinco fazendeiros envolvidos nos ataques foram indiciados, presos e soltos logo depois, demonstrando que o Estado brasileiro opera a serviço do latifúndio. Ao mesmo tempo, nossas lideranças, nossos jovens guerreiros e guerreiras seguem sendo criminalizados e presos, enquanto os verdadeiros criminosos que matam nosso povo e causam derramamento de sangue estão no poder. O caso de Leonardo de Souza, pai de Clodiodi, é um exemplo da criminalização: foi preso numa ação violenta em dezembro de 2018, quando a Força Nacional invadiu a aldeia Te’yi Kue, agredindo seus familiares fisicamente e usando spray de pimenta e gás lacrimogênio, além de matar um cachorro e revirar a casa. O ocorrido demonstra a brutalidade do Estado que mata o filho e prende o pai. Leonardo nem mesmo estava presente no local do ataque em 2016, pois estava em sua casa e decidiu sair, para ver o que estava acontecendo.
Quem se levantou na época foi toda a comunidade da Tey’i Kue, para defender a retomada da terra. Nossas únicas armas eram o mbaraká, o takuapu e o xirú. Além disso, o Estado continua perseguindo a comunidade: somente na região da Aldeia Tey’i Kue, existem mais pessoas ameaçadas de prisão, perseguidas por lutarem pelo Tekoha. Nos anos seguintes ao massacre, enfrentamos ainda muitas ordens de despejo contra as retomadas de Guapoy, Nhamoi Guavira’i, e Jeroky Guasu, que vencemos com luta e mobilização.
Desde 2017, organizamos a atividade de memória e luta para homenagear Clodiodi, para demonstrar que a força da nossa luta é a defesa da vida contra toda destruição e genocídio causado pelo capitalismo, o agronegócio e o Estado. Em 2018, outros tekoha e outros lugares do país se levantaram, e esse ano não foi diferente: no dia 8 de junho, no tekoha Kunumi Poty Verá, centenas de pessoas da comunidade, entre mulheres, homens, crianças e anciões, incluindo nossos nhanderú e nhandesy e companheiros de luta marcharam até o túmulo de Clodiodi para gritar: CLODIODI TOMBOU, MUITOS JÁ SE LEVANTARAM E AINDA SE LEVANTARÃO! Dessa forma, demonstramos que não esquecemos e nem perdoamos os 519 anos de opressão e violência, e sabemos que Clodiodi foi mais uma gota que manchou a terra de sangue. Mas se a terra é o nosso corpo, e nós somos parte do corpo da terra, como podemos viver sem ela? Enquanto não houver direito à terra, nós continuaremos retomando, porque sem terra não há vida. Não iremos baixar a cabeça para o terrorismo de Estado, pois estamos muito conscientes de que esse governo está promovendo a morte, armando os fazendeiros contra o nosso povo. Mesmo assim, seguiremos lutando de cabeça erguida, para mostrar que existimos e queremos continuar existindo: VIDA E MORTE PELO TEKOHA!
O ESTADO É CRIMINOSO, E NOSSO POVO DEFENDE A VIDA!
PELA FORÇA DE UM GUERREIRO CLODIODI: ELE NÃO SÓ ESTÁ NO ATAQUE, MAS TAMBÉM NA RESISTÊNCIA. AVANÇA NA RETOMADA !
MAVARE JAJEKOVETA ?
TEKO JOJA PAITE!
Tekoha Guasu Dourados Amambaipeguá I

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *