Repressão Anti-Sindical contra Sindicalistas da CNT  (Espanha)

Repressão Anti-Sindical contra Sindicalistas da CNT (Espanha)

A Federação das Organizações Sindicalistas Revolucionários do Brasil (FOB) se solidariza as militantes e trabalhadoras da Confederação Nacional do Trabalho (CNT) que foram condenadas pelo judiciário espanhol a prisão e indenização por fazer atividade sindical na defesa por melhores condições de trabalho na padaria La Suiza. O Estado espanhol condenou sete militantes sindicais por fazerem sua atividade de resistir a exploração patriarcal e de classe.

A FOB conclama todas as organizações e militantes a se solidarizarem com as camaradas de Gijon exigindo a absolvição e extinção do processo que condenou 7 sindicalistas no conflito com os patrões da pastelaria La Suiza.

Convocamos todas e todos a se manifestarem em frente as embaixadas e consulados da Espanha. Apoiamos a campanha da CNT: Nem Um Passo Atrás. Mão estendida as camaradas, punho cerrado aos inimigos.

Reproduzimos abaixo as matérias que estão no site da CNT.es

Fazer Sindicalismo Não Pode Ser um Crime

Por Comitê Federal Permanente da CNT (Espanha)

– O Tribunal Penal nº 1 de Gijon, condenado a penas de prisão a 7 sindicalistas da CNT, “sentença que iremos recorrer”.

– “Com esta frase dura querem enviar uma mensagem clara ao sindicalismo combativo: é uma ameaça direta a todos os trabalhadores que queiram exercer os seus direitos”, disse o CNT.

Na semana passada, foi publicada a sentença que abordou as mobilizações sindicais que tiveram lugar em 2017, em apoio de uma trabalhadora, e, apesar de não ter havido um grande optimismo sobre a sentença, segundo a CNT, “excedeu os piores presságios: penas de prisão de três anos e meio, excepto para a activista Lagarder e uma indemnização que excede a solicitada pela acusação, algo não muito frequente e que atinge os 125.428,1 euros”.

Os serviços jurídicos da organização anarco-sindicalista estão trabalhando no recurso para  corrigir a severidade sem precedentes que “não deixa de recordar a sentença recaída no seu dia no procedimento que se seguiu contra Candido e Morala”, aponta a CNT.  Isso deu origem ao movimento, nem um passo atrás, um slogan que “fazemos o nosso por que de modo algum permitiremos a criminalização da ação sindical, que é a única coisa que a classe trabalhadora tem de defender-se”, sublinha a central anarco-sindical.

Embora o momento da análise “o deixemos para mais tarde, bem como as implicações e estranhas coincidências”, basta lembrar que a empresa ao longo de todo o processo alegou que o conflito sindical o tinha mergulhado numa crise económica que o forçou a declarar falência. No entanto, contou com os melhores e mais caros advogados como Javier Gómez Bermúdez, antigo presidente da câmara penal do Tribunal Nacional.

Do mesmo modo, dentro da indenização muito grande é um item pela perda de uma casa que, pelo menos na altura do julgamento, ainda estava em nome dos antigos patrões… para não mencionar a sucessão de relatórios de peritos contraditórios que, no entanto, não parecem ter levantado quaisquer dúvidas, apesar do fato de na última sessão do julgamento a inconsistência dos números reclamados ter sido tornada clara pelas defesas. É importante sublinhar, finalmente, que ao longo dos meses, que não chegaram a cinco, em que a ação sindical teve lugar, em momento algum houve danos em qualquer propriedade; a circulação de clientes não foi impedida e, apesar da presença da polícia, chamada pelos proprietários da padaria, estes últimos nunca foram obrigados a intervir.

Compreendemos que este caso  “a criminalização do exercício mais básico da ação sindical”, sublinha a CNT: é um ataque frontal contra todas as mulheres trabalhadoras e o sindicalismo em geral, “hoje fomos nós, mas amanhã pode ser qualquer um”.

É tempo de refletir, de continuar a trabalhar na nossa forma de entender o sindicalismo, sempre perto da rua e dos problemas reais e de preparar os melhores recursos possíveis, sem esquecer que nada, absolutamente nada, nos vai impedir de agir em defesa dos direitos da classe trabalhadora: nem um passo atrás!

Manifestação em Gijón (Espanha) em apoio às sindicalistas da CNT condenadas.

Mais de duas mil pessoas manifestaram-se em Gijón para exigir a absolvição do CNT e dos 7 sindicalistas condenados pelo conflito com os patrões da padaria La Suiza.

Mais de 2.000 pessoas manifestaram-se em Gijón este sábado em resposta à condenação de 7 sindicalistas a 3 anos e meio de prisão cada um pelo conflito sindical entre a CNT de Gijón e a pastelaria La Suiza. Os manifestantes caminharam pelas ruas de Gijón gritando “CNT Gijón Acquittal” e “Acquittal condenado por lutar”. Mais de 50 grupos tomaram parte no protesto, incluindo partidos políticos, associações de bairro, organizações feministas e sindicatos. A marcha, que partiu da Plaza del Humedal terminou na Plaza del Parchís com um ato em que alguns dos condenados explicaram que o conflito entre o CNT e os patrões da padaria La Suiza começou devido à dupla exploração laboral e de género sofrida pela trabalhadora dessa loja. Foram também dados agradecimentos pela enorme manifestação de apoio que, de acordo com as mulheres condenadas, as fez “sentir-se enormemente apoiadas”.

O sindicato CNT interpôs um recurso judicial contra a sentença e os seus advogados dizem que irão aos tribunais superiores para provar a inocência dos sindicalistas acusados. A organização também salientou que este dia mostra que o conflito foi socializado e agradeceu os sinais de solidariedade que lhes chegaram tanto às Astúrias como ao resto do território espanhol e mesmo a algumas organizações e grupos internacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *