Perseguição política no colégio militar de Brasília

O Sindicato Geral Autônomo (SIGA -DFE) vem a público repudiar a perseguição política e antidemocrática no Colégio Militar de Brasília. O professor de Geografia foi afastado após realizar uma vídeo aula sobre os protestos no país e por abordar a violência policial durante os protestos. Estamos ao lado do professor e acreditamos que discutir a atual situação do Brasil é um dever dos professores e professoras preocupados com o futuro de nossa juventude.

Militarização é imposta no CEF 05 do Gama com manipulações, autoritarismo e censura

Tudo começou com um processo organizado “por debaixo dos panos” pela diretoria da escola, regional, secretarias de educação e segurança do GDF. Nem sequer os estudantes, professores e pais da escola estavam cientes de como ou quando se daria o processo. Houveram relatos de professores e alunos que descobriram no próprio dia que já seria a votação, e não apenas um debate. O projeto foi intencionalmente omitido da comunidade escolar, com o objetivo de cercear o debate de ideias e a crítica (tão necessária à educação e ao conhecimento científico). Esse fato levou a dúvidas sobre própria legalidade da “assembleia”, já que esta deveria ter sido convocada pelo conselho escolar, de acordo com a lei de gestão democrática.