Não à Reforma Administrativa: Pela valorização dos servidores e serviços públicos!

A Reforma Administrativa dos senhores Guedes e Bolsonaro vem reforçar um Estado de auteridade fiscal permanente, a longo prazo desmontando os serviços públicos e abrindo caminho para a iniciativa privada dominar. A Reforma também pretende tornar as relações de trabalho precárias, vulneráveis a flexibilização e rotatividade, além de permitir um aprinhamento político e a corrupção de governos por permitir que gestores efetivem nos cargos por razões pessoais, permitindo perseguições ideológicas travestidas de produtividade. As consequências serão sentidas pelas famílias brasileiras e pelo povo mais pobre. É preciso uma reação hoje para não sofrermos mais amanhã! Nenhuma ilusão na luta parlamentar, é preciso um movimento da soceidade brasileira com protestos, ocupações e greves para barrar este ataque!

Valorização do trabalho docente e o boicote ao retorno presencial: a defesa da vida em meio a pandemia no DF

O ofício docente sempre foi trabalhoso e desvalorizado no Brasil. A idealização do passado, com supostos tempos áureos da educação no país, é baseada apenas em raras exceções. De maneira geral, a situação é pior no setor privado, sem importantes conquistas trabalhistas como as alcançadas pelas trabalhadoras e trabalhadores do setor público. As condições de trabalho, que se deterioram ainda mais com a expansão do ensino superior à distância, a contrarreforma trabalhista, e diversas derrotas da classe trabalhadora em nível local, se tornaram insustentáveis no atual contexto de pandemia.

SIGA-DF lança campanha de solidariedade às famílias do Sol Nascente/Ceilândia, Participe!

As periferias e o povo são os maiores prejudicados pelo vírus. Por isto, o Sindicato Geral Autônomo lança esta campanha de solidariedade à famílias do Sol Nascente que vem passando por diversas dificuldades. Muitas pessoas perderam seus empregos, ao mesmo tempo que, muitas não conseguiram a aprovação do auxílio emergencial para levar o alimento às suas famílias.

Perseguição política no colégio militar de Brasília

O Sindicato Geral Autônomo (SIGA -DFE) vem a público repudiar a perseguição política e antidemocrática no Colégio Militar de Brasília. O professor de Geografia foi afastado após realizar uma vídeo aula sobre os protestos no país e por abordar a violência policial durante os protestos. Estamos ao lado do professor e acreditamos que discutir a atual situação do Brasil é um dever dos professores e professoras preocupados com o futuro de nossa juventude.

1 2 3 6