Plano de saúde e privatização do SUS: presentes de grego aos servidores e serviços públicos

Naquele mesmo dia, acordamos com duas notícias: primeira, a nível federal, o governo Bolsonaro encarregou o Ministério da Economia de um plano de privatização das Unidades Básicas de Saúde – os postos e centros de saúde; segunda, a nível distrital, o governador Ibaneis (MDB) anunciou o “GDF Saúde”, um plano de saúde privado como “presente” aos servidores.

Mas isso é bom, não? Vemos sérios problemas. Estes dois fatos estão diretamente interligados num ciclo vicioso, como demostraremos aqui. E eles se repetem Brasil afora. Dizem respeito tanto aos servidores quanto aos usuários de serviço público. Não é um problema corporativo dos servidores, mas da sociedade.

Campanhas “Bolsonaro Assassino e Mentiroso” e “Criar Brigadas em defesa da saúde pública em cada Bairro”

O Sindicato Geral Autônomo do DF e Entorno lança as Campanhas durante a pandemia: “Bolsonaro Assassino e Mentiroso” e “Criar Brigadas em defesa da saúde pública em cada Bairro”. Confira os cartazes e ajude na campanha colando em pontos de circulação da população e se organizando no seu bairro ou local de trabalho!

Agente comunitário de saúde relata condições de trabalho em unidade básica durante pandemia. É preciso organizar a luta da categoria

O Sindicato Geral Autônomo do DF e Entorno (SIGA) entrevistou Lucas*, um trabalhador lotado em uma base de entrada do SUS, uma Unidade Básica de Saúde, que relatou as condições de trabalho na atenção primária durante a pandemia de COVID-19. O SUS é um dos maiores e mais complexos sistemas de saúde pública do mundo, porém opera com forte precariedade e ameaça de privatização.